11 agosto 2010

RESPOSTAS




Porque é que quando sussurras nasce um grito que rebenta em eco dentro de mim?


Porque me faço ressonância encerrada numa caixa onde o som definha estrangulado por trepadeiras que o enlaçam?


Porque me divido em pedaços cada vez mais pequenos, cada vez mais pedaços dos pedaços que acabei de transformar em pedaços ainda menores?


Vou retalhar o «porque». Incomoda-me poder fazer perguntas sabendo de antemão que as respostas estão trancadas no fim do ponto de interrogação.


Deixo o meu cartão de visita. Para que sejam elas a procurar-me a mim…

10 comentários:

Maria disse...

Porque os pedaços quanto mais se dividem mais se multiplicam... se for amor, já vês...

:)))
Beijo, G.

G... disse...

Maria!
Ah!... pois é...
Se fôr amor...
O pior é se forem dúvidas.
Beijos, Maria
Admiro-te

Mar Arável disse...

Uma bela constelação

de estrêlas

óbviamente sem respostas

para não estragar o texto

Bjs

G... disse...

Mar Arável: pois.... sem respostas!
Obrigada!
Beijinho

Otário disse...

Um infinito de
porquês, uma
ausência de
respostas!!

chego, por vezes, a pensar,
que a resposta para tudo
traria um clima de simplicidade
à busca desnecessária.

A.S. disse...

G...

Há perguntas para as quais já sabemos a resposta! Apenas queremos sentir a comfirmação...


Beijosss
AL

G... disse...

OTÁRIO, A.S.:
Que valor teria uma resposta se não inventássemos o espaço do ponto de interrogação?...
Obrigada!
Beijos

Nilson Barcelli disse...

Querida amiga, as respostas estão dentro de ti...
Boa semana, beijos.

G... disse...

Nilson: é, não é? Mas custam tanto a encontrar...
Um beijinho com ternura

G... disse...

Nilson: é, não é? Mas custam tanto a encontrar...
Um beijinho com ternura