03 março 2010

Às Vezes hoje.

Hoje. Todos os Hojes…
Beijo-te as mãos,
Encho-as de amor
Para devolver.
Atiro-te o olhar
Até ao fundo.
Deixo-te âncora,
Para me fixar.
Cubro com o meu
O teu corpo nu.
Para te sentir,
Para te guardar.
Salpico-te de beijos
Toques sem fim.
Faço-te em mapa
Para te encontrar.
Às Vezes, só às Vezes…
Descubro-te caminho
No mapa dos beijos
Reconheço o corpo
Que te guardei,
Busco a âncora
- Sim, nesse olhar –
E reclamo-te então
Simples no gesto de amar.
De mãos plenas,
A transbordar,
Devolves-me em penhor
O que te quis deixar.
Fica a promessa,
Às Vezes Hoje,
De te encher as mãos
De amor emprestado,
Que vou reclamar –
Não te foi oferecido.
Que vais devolver:
Não o queres roubado!

6 comentários:

Rui Ferreira disse...

Que o Hoje seja rapido, como sendo Amanha!
Parabens!

G... disse...

Obrigada!
És um anjo!

cristal disse...

G....

Agora...Hoje...que bom ler-te!

(hoje estou eu, cansada,cansada)

Beijinho, Linda

mariam disse...

G...

muito bonito!

um poema amor, promessa, partilha ...

beijinhos
um sorriso :)
mariam

G... disse...

MARIAM:obrigadA. ;-)

G... disse...

CRISTAL: tão tranaparente ns tua doçura... consola-te no descanso, se o encontrares. Rouba-me energia: hoje já tenho para partilhar! Mando-te alguma neste beijinho.