08 julho 2010

TRANÇAS

Porque sozinhos somos frágeis
Em tranças de fios quebradiços
Nos une a vida com mãos ágeis
Enquanto caminhamos postiços
No sentido forçado pelos sentidos
Por um rumo que nos leva perdidos.
Anda, vento forte – rajada –
Faz de tudo um quase nada
Desata-nos em madeixas soltas
Largadas às águas revoltas
Desta aventura feita da vida
Com a barragem destruída.
Que na nossa vulnerabilidade
Talvez sejamos mais completos
Do que entrançados sem vontade
Em tecidos rotos de afectos.

2 comentários:

Mar Arável disse...

De facto

sós somos frágeis

mais frágeis

simples mente

frágeis

G... disse...

MAR ARÀVEL:

Somos um (mau) disfarce da nossa própria fragilidade