11 junho 2010

COLO



Despeja o olhar no meu colo
E deixa a alma descansar
Deixa os braços tombar
Deixa o sorriso poisar
No colo do teu olhar.
Faço-me forte sem ser
Sou gigante sem querer
Braços abertos para ter
Colo doce para oferecer
Despeja o olhar no meu colo
Que o sorriso encontra par
E as lágrimas podem ficar
Mesmo que queiras voltar
E não as queiras levar.
Guardo-te o corpo a tremer
Deixa o sangue aquecer
Nas minhas veias correr
Para depois to devolver…
Despeja o olhar no meu colo
Quando a alma recuperar
Uma manhã, ao acordar
Estarás completo a sonhar
Uma canção de embalar.
Feliz de mim se me amares
Se do resto te esqueceres
Se do Mundo te perderes
E no meu colo te deixares…
Despeja-me a alma no olhar…

4 comentários:

Filó disse...

Um colo que recebe o olhar da alma, numa canção de embalar...sonhando.

MAGNÍFICO poema, amiga

Beijinho

G... disse...

FILÓ:
Obrigada amiga.
Precisamos sempre de tanto colo...
Beijinhos

PÉTALA disse...

G
Precisamos tanto de quem nos dê colo...
E há colos que nos deixam tão felizes...
Gosto de passar pelo teu colo...
Aromas de
PÉTALA

G... disse...

PÉTALA:
Fica-me, no colo, o tempo que quiseres... Se te fôr doce...
Beijinho