08 junho 2010

HOJE

Hoje,
Vi uma teia esticada ao vento
Brilhando de Sol feito reflexo
Oscilando, côncava, do movimento
Das pessoas que só têm lado convexo
Ao deambular errantes pela vida
De olhos fechados, embora abertos
Sem alma e de expressão desaparecida
Sem mapa ou caminho dos sentimentos.
Hoje,
Ainda madrugada, saí à rua
Olhos abertos por entre o sono
Colou-se-me ao rosto uma teia - a tua
Feita de palavras, beleza e sonho!


Nilson: obrigada. Pela inspiração.

4 comentários:

Nilson Barcelli disse...

Mas que surpresa, querida amiga.
Sinto-me vaidoso por te inspirares no que escrevo.
E o teu poema ficou magnífico. Gostei muito, parabéns.
Beijos.

G... disse...

NILSON:
Se a tua poesia não me inspirasse, é porque ou estava morta, ou não tinha alma....
Obrigada!
Beijo amigo

PÉTALA disse...

G
Sonhar será fácil...?
Difícil é exprimir em palavras os mais belos sonhos...!
A ti que tão bem sonhas aqui deixo
Aromas de
PÉTALA

G... disse...

PÉTALA:
Não é fácil, sonhar... pois não?
Os pesadelos são muito mais «proactivos» nesta vida que os sonhos bons.
Mas... há que lutar por eles, sempre!
Beijinho