22 abril 2010

ESTÁS EM MIM


A pele foi virada,
Posta pelo avesso,
Desinfectada.
E tu estás em mim.
A alma foi lavada,
Foi molhada e esfregada,
Higienizada.
E tu estás em mim.
A memória foi apagada,
Foi rasgada, foi queimada,
Violentada.
E tu estás em mim.
Tatuado no meu sangue,
À prova da barrela da vida.
E nem a morte esconde
Esta verdade escondida:
Tu estás em mim!



23 Abril 2010

9 comentários:

Lídia Borges disse...

Leveza e uma enorme sensibilidade.

Há sentimentos que não são recicláveis.

Um beijo

OUTONO disse...

Palavras rasgadas...
Sentires lançados...
Gritos internos...
Sede...luar e sol...
Alma...verdade!

Beijinho.

G... disse...

Lídia:
Obrigada.
Este foi puxado do fundinho da alma.
Beijinho salpicado de pó de estrelas
Numa noite FELIZ

G... disse...

Outono:
Essa acutilância... Gritos internos. Ensurdecedores.
É por aí!
Mesmo por aí!
Obrigada.
Muito muito!
Seguem estrelas no beijo que te deixo!

Filó disse...

Pele tocada...sensível, de alma lavada .
Muito bonito este teu grito interno..

Beijo amigo

Nilson Barcelli disse...

Um poema afirmativo, sem rodeios...
Mais um magnífico poema. Gostei imenso da construção e das imagens poéticas que foste criando ao longo do poema.
Um beijo.

António MR Martins disse...

A força dos sentimentos ecludidos no grito do âmago.

Muito bom e belo este teu poema.

Beijinho

G... disse...

Nilson:
Obrigada. Saíu assim.
Fico feliz. Gosto do teu gostar!

Beijinho polvilhado de estrelas.

G... disse...

António:
......... estou a respirar um bocadinho...... outro bocadinho.....
Pronto!
Já estou em mim de novo!
:-)
Obrigada!
Beijinho